Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SALPICOS DA VIDA

Cores, retalhos, pontos, momentos e emoções que vão acontecendo no tempo e na vida.

SALPICOS DA VIDA

Cores, retalhos, pontos, momentos e emoções que vão acontecendo no tempo e na vida.

Qua | 28.05.08

A crise dos combustíveis

Maria

O aumento do preço da gasolina já se tornou, para nosso mal, num hábito. No noticiário da manhã levamos logo com as tristes notícias de mais um aumento, e ninguém com responsabilidades impede que esta pouca vergonha continue. Pela minha parte faço como tantos outros portugueses que têm de fazer contas à vida - vou às bombas do Jumbo, neste caso de Palmela. Fica em caminho e faço boicote total às três grandes gasolineiras. Mas hoje fiquei surpreendida com  a capacidade  inventiva das pessoas. Não é que um senhor se lembrou de aproveitar o toucinho de porco preto, muitas vezes sem aproveitamento, para o derreter e fabricar combustível para a sua carrinha? Por este andar quem precisa de petróleo?

Qua | 21.05.08

A minha Nina

Maria

Nina, tal como os outros amigos de quatro patas, veio cá para casa depois do abandono. Era pequenina, estava suja e cheia de fome, a miar à beira duma estrada. Quem é que tinha coração para a deixar ficar lá e morrer? Pois, eu também não tive. Isto aconteceu há seis anos. Entretanto a Nina cresceu, foi esterilizada  e transformou-se nesta beleza que vos mostro. É o ser mais sociável cá de casa e para ela não há distinções, quer tenham duas ou quatro patas, quer sejam humanos, caninos ou felinos. São todos amigos e todos levam carinhos e marradinhas. Nos dias mais frios do Inverno, é ver a Nina toda enroscada na cama dos cães, sobretudo na do Bóris e da Leca. Abençoada a hora em que a trouxe para casa. Tenho a certeza de que me tem dado mais do que lhe dei a ela.

Dom | 18.05.08

Fez hoje dois meses

Maria

Já passaram dois meses. O mundo gira, frenético, louco, imparável. As pessoas continuam a viver as suas vidas, mas a do meu pai acabou há dois meses. Fui lá hoje, mesmo com a chuva e coloquei flores novas. Eu sei que não serve para nada, também sei que é em vida que devemos cuidar uns dos outros. Mas ir lá tranquiliza-me. Nunca pensei que poderia ser assim, com tanta dor. Faz-me tanta falta o meu pai.

Qua | 07.05.08

Estou a construir o meu jardim

Maria

Sempre me senti próxima das coisas simples, daquelas que muitas vezes passam despercebidas. Talvez porque de alguma maneira também sou assim. Gosto de mexer na terra, do verde das plantas, de as ver crescer e tratar delas. Chegou a hora de arranjar o cantinho abandonado do quintal,  cheio de tralhas velhas e coisas que ninguém quer. Aquele espaço desagradável vai-se transformar num pequeno jardim, cheio de verde, de perfumes e de flores. Só falta o som da água a correr, mas isso também virá com o tempo.

Fui buscar pedras à serra para fazer os canteiros e alguns já estão a ficar jeitosos. Este é o maior, com o feto arbóreo, as petúnias , os pelargónios , cravos e cravos da Índia. Ainda tem espaço para as zínias e as sécias que estão a crescer. Faço projectos, imagino como tudo ficará depois de pronto e que agradável vai ser ficar lá a ouvir música ou a ler. Ao mesmo tempo a escuridão que me envolve vai ficando menos escura.

Um canteiro do meu jardim